EDITORIAL

Editorial.

 

O natal dos poderosos é mesmo farto, gordo, generoso, abundante. Políticos, juízes e empresários campeões em “licitações” nos governos. Todos recebem os seus mimos nesse final de ano, de olho num próspero ano novo, com mais contratos fraudulentos, aumentos de salários e outros petiscos…

O ex-deputado Roberto Jefferson se mostrou alterado em conversa com a imprensa na manhã de sábado, em sua casa em Comendador Levy Gasparian, no Sul do Rio de Janeiro. Ele questionou a presença dos jornalistas no local e disse que torcia para que eles fossem embora logo. “Estão me fazendo prisioneiro na minha casa”, disse. “Eu tenho ainda poucos momentos, eu não sei o que virá. Vocês estão me fazendo de prisioneiro”, completou em tom áspero.

Jefferson está há pelo menos um mês em Levy Gasparian, onde aguarda a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre sua prisão. Ele foi condenado em 2012 a 7 anos e 14 dias de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e, em novembro deste ano, teve o último recurso possível rejeitado pelo Supremo.

O presidente do STF aguarda resposta do governo do Rio de Janeiro para decidir onde o ex-deputado irá cumprir a pena dele. Joaquim Barbosa quer saber se as prisões do estado têm condições de receber Jefferson. A defesa dele diz que não, pois os presídios não teriam condições de garantir, por exemplo, a dieta prevista pelos médicos, que inclui itens como salmão e sucos feitos com água de coco.

Portaria publicada pela Vara de Execuções Penais do Distrito Federal em 20 de novembro elimina as chances de os condenados no mensalão que estão presos na penitenciária da Papuda terem direito a uma “saída especial” no Natal e ano-novo. O benefício é concedido apenas a detentos que cumprem pena em regime semiaberto. No entanto, seus advogados podem requerer o benefício mesmo assim e aguardar decisão da Justiça. Pelas regras, os internos poderão deixar o presídio no dia 24 de dezembro, às 10 horas, com retorno no dia 26, até as 10 horas. No ano novo, eles poderão deixar a Papuda no dia 30 e devem voltar até 2 de janeiro, nos mesmos horários.

Até quando essa classe de criminosos serão privilegiadas com as falhas nas leis?

Leis essas que foram promulgadas por eles mesmos.  Esse é o Brasil, esse é nosso país.